quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Amarre os sapatos, aperte o cinto, prepare-se para a batalha


Mãe, esteja ao lado de seu filho, procure entendê-lo, converse com ele. Tente o mais possível ser amiga, parceira, ouvi-lo, ajudá-lo a seguir, apesar dos julgamentos dos adultos. Ninguém pede para ter um comportamento considerado um problema pelos adultos, ninguém escolhe ser agitado "de mais" ou lento "de menos"...

E, para os pais e mães que insistem em apenas tentar atender ao que exigem os críticos da espontaneidade das crianças, peço que reflitam, e vejam a possibilidade que o filhão está dando para que revejam os ditames sociais e mudem seus modos de perceber e agir neste mundão insano!



Marise Jalowitzki
22.fevereiro.2018
https://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2018/02/amarre-os-sapatos-aperte-o-cinto.html

...verdade?
Para obter resultados diferentes, não dá pra continuar fazendo e pensando e sentindo sempre do mesmo jeito!!! Então, primeiramente, entenda qual a batalha que precisa acontecer!
Pergunte a si, se for adulto. 
Tente perguntar a seu filhotinho, caso ele se sinta a vontade pra responder:
“Que Mundão é Esse?”
“O Que Fizemos com o Ato de Viver?” 
“Era isso que eu queria pra Mim?”

Estes questionamentos saltaram fortemente, novamente, em mim, enquanto assistia "Como Estrela na Terra" - também intitulado como "Somos Todos Diferentes". Produção indiana, contando o sofrimento de um pequeno disléxico, incompreendido por pais, professores, sociedade. Até que um professor, que passou pelo mesmo sufoco, quando criança, literalmente o traz de volta à vida.
No Livro TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM transcrevo uma das canções do filme.
A canção diz:

Amarre os sapatos, aperte o cinto,
Prepare-se para a batalha!
Prepare-se para a batalha!
Carregue seu fardo.
De pasta na mão e decisão firme
Dominaremos o mundo!
Manteremo-nos firmes!
Assim funciona o mundo, continue.
Teu destino te espera
Siga em frente.

Eles dormem com um olho aberto.
Ficar pra trás não é uma opção.
Trabalhe o máximo que puder
Do jeito que lhe dizem.
Eles vivem de omeletes, vitaminas e tônicos.
Um regime restrito de trabalho e descanso.
Esforçando-se, dando duro, abra caminho.
Assim funciona o mundo, continue.
Teu destino te espera
Siga em frente.

Mas, aqui, chegamos a outro assunto!
O de acordar com as músicas de um sonho.
Quando o tempo para, a fantasia se liberta.

Eles sempre se perguntam
Porque o lema do mundo é “continue assim”?
Porque esta luta maluca para chegar a um destino?
Eles não são escravos do tempo
São livres
Tem reuniões com as borboletas
E debates com as árvores.
Passam seu tempo brincando com o vento
E contando histórias às gotas de chuva
Enquanto pintam um novo mundo na tela do céu.
Porque o lema do mundo é “continue assim”?
Porque esta luta maluca para chegar a um destino?
Porque o lema do mundo é “continue assim”?
Porque esta luta maluca para chegar a um destino?
Porque o lema do mundo é “continue assim”?
Porque esta luta maluca para chegar a um destino?
“Rápido, Madame, rápido! Está nos atrasando!
Caramba! Todo dia você nos atrasa!”
Porque o lema do mundo é “continue assim”?
Porque esta luta maluca para chegar a um destino?


Ri muito, chorei muito! Vi a todos nós, ora em um, ora em outro papel, sempre correndo, sempre sendo requisitados em resultados que nem sempre queremos dar. E os questionamentos “Que Mundão é Esse?” e “O Que Fizemos com o Ato de Viver?” e “Era isso que eu queria pra Mim?”, vieram fortes outra vez!" (págs 25 e 26)

Para os pais e mães que insistem em apenas tentar atender ao que exigem os críticos da espontaneidade das crianças, peço que reflitam, e vejam a possibilidade que o filhão está dando para que revejam os ditames sociais e mudem seus modos de perceber e agir neste mundão insano!

Querendo, leia também:









Em uma série de fotos a artista Anna Radchenko retrata as incoerências de algumas mães que, mesmo motivadas por Amor, acabam não acreditando no potencial de seus filhos, cerceando iniciativas, muitas vezes medicando inadvertidamente, toldando a criatividade.



Não tenham medo de enfrentar as escolas onde a falta de preparo para lidar com as diferenças impera, onde os profissionais acreditam que seres humanos devem seguir um padrão.
 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 



LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e  dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade
Contra o uso indiscriminado de metilfenidato - Ritalina, Ritalina LA, Concerta




Nenhum comentário:

Postar um comentário